13 de ago de 2009

22\8 - Núcleo Campos da Expressão Corporal.




O Núcleo Campos da Expressão Corporal, tem como convidado o grupo de Capoeira Angola do Mestre João Pequeno de Pastinha da Unesp Bauru.
O mesmo se apresentará na Terceira Edição do Jardim Cultural, que será realizada no dia 22 de agosto de 2009, no Núcleo Romulo Cavalcante.

Segundo a professora, Pautado nos ensinamentos de Mestre João Pequeno de Pastinha, o projeto visa promover o aprendizado das habilidades corporais específicas da capoeira angola, quais sejam, os movimentos de defesa e ataque, tais como negativas, rabo-de-arraia, aú, rasteiras, ginga, meia-lua-de-frente, meia-lua-de-costa etc. É objetivo também o aprendizado dos toques nos instrumentos musicais utilizados na roda de capoeira para a realização do jogo (berimbaus, pandeiro, agogô, reco-reco, atabaque), dos cantos (ladainhas, louvação e corridos), de sua história, enfim, do exercício da experiência da diversidade cultural e social orientadas pelos respectivos valores “respeito” e “justiça”. Nossos encontros acontecem desde o início do ano de 2004 realizados quatro vezes por semana. Atende o público universitário da comunidade unespiana e não unespiana; atende também crianças de 5 e 6 anos do Centro de Convivência Infantil – CCI “Gente Miúda” da Unesp de Bauru e crianças e jovens do Irmã Adelaide no Ferradura Mirim. Além de freqüentarem as aulas os alunos desenvolvem pesquisas e participam de Encontros Nacionais e Internacionais de Capoeira Angola nos quais podem aprender e/ou se aperfeiçoarem nesta arte com renomados mestres e conviver com a diversidade cultural e social.

Mestre Pastinha – Joaquim Vicente Ferreira Pastinha, nasceu em cinco de abril de 1889 em Salvador (BA). Aprendeu capoeira aos dez anos de idade com o africano Mestre Benedito que, da janela de sua casa costumava ver Pastinha apanhando em briga com um garoto de sua rua. Por pena de Pastinha, o Mestre Benedito o ensinou técnicas de defesa. Morreu em 13 de novembro de 1981.

A capoeira Angola é um estilo de capoeira, simultaneamente, jogo-de-luta-dançada, brincadeira, arte, filosofia de vida, além de ser uma das mais representativas manifestações da cultura afro-brasileira. Criada no Brasil num contexto de opressão sofrida pelos negros escravos, dentre os principais valores morais transmitidos por meio desta prática educativa estão o “respeito” e a “justiça”, ambos imprescindíveis para o cultivo da paz nas relações sociais. O projeto de extensão universitária A capoeira angola de Mestre João Pequeno de Pastinha é pautado no exemplo de humildade e de ação pacificadora deste velho mestre que completará 92 anos em 27 de dezembro deste ano. Guardião desse tesouro nacional, Mestre João Pequeno de Pastinha já dedicou mais de 60 anos de sua vida lutando pela paz mundial ao ensinar a sua arte, não apenas para os seus conterrâneos baianos, mas também aos estrangeiros, seja no próprio espaço de sua academia situada no Forte da Capoeira (Forte Santo Antônio – Salvador/BA), seja viajando mundo afora.

Integrantes: Rosa Maria Araújo Simões, Raphael de Oliveira, Renato Caetano de Jesus, David Antonio Calleja, Fernanda Vasconcelos Parreira, Marília Rohwedder Marton, Mariana de Lima Rezende, Meiriane Jordão da Silva, Renata Takahashi Vuolo, Antonio Carlos Canhada Lopes da Silva, Juliana Brandt, Alisson Peres Pessoa, Marcelo Lino da Silva, Danielle Aquino, Lucas Florentino Gonçalves.


2 comentários:

Anônimo disse...

Simbora camará! Vamo vadiá

Anônimo disse...

q coisa idiota!